Como Treinar seu Dragão 2: Soluço e Banguela retornam!

Juliano Lopes 11/08/2014 0
Como Treinar seu Dragão 2: Soluço e Banguela retornam!

Semana passada fui assistir com a família a continuação da história de Soluço e Banguela: “Como Treinar seu Dragão 2”. Como sou um admirador da franquia em si, dei um espaçamento para poder escrever mais com a razão do que com a emoção (e fanboyzismo exagerado)

Esta animação é proveniente de uma série de 12 livros escrita por Cressida Cowell, e apesar das diferenças (como Banguela ser um dragão de jardim nos livros, ao invés de um temível Fúria da Noite), é inegável que o trabalho primoroso da Dreamworks explica o sucesso da série de filmes e seus spin-offs. Sim, pois a Cartoon Networks passa atualmente “Dragões: Pilotos de Berk”, uma série em que vemos o período (não datado) entre o 1º. e o 2º. Filme. E se você não acompanha, dê uma chance a série, que é muito bem feita (também disponível na Netflx).

Mas vamos ao filme: encontramos Soluço e Banguela, agora já bem mais velhos (Soluço tem 20 anos, Banguela tem mais ou menos a mesma idade em relação) e claro, muito mais bem treinados. Os dragões são amados e tratados como bichos de estimação em Berk, e há concursos inclusive (bizarros, mas engraçados, envolvendo ovelhas). Vemos inclusive que  Astrid e Soluço estão consolidados como um casal, sendo que o próprio Stoico (o pai do Soluço) já a chama de nora.

Face à tudo isso, temos o plot principal: Stoico quer passar a liderança de Berk para Soluço, que se recusa terminantemente a assumir tamanha responsabilidade, e devido a isso, passa os dias fugindo de Berk para voar e testar seus apetrechos (uma variação de wingsuit que o faz voar quase como um dragão).

Logo somos apresentados a caçadores de dragões, e descobrimos que um exército está sendo montado com os dragões capturados. Para piorar, Soluço parece achar alguém que entende mais de dragões do que ele … mas acaba descobrindo que é sua mãe, que até então acreditava-se que havia morrido numa incursão de dragões em Berk quando Soluço era só um bebê. E com ela, Soluço descobre um santuário de dragões, com um dragão alfa, imenso, que comanda os menores (exceto os que são muito pequenos).

Bom, aí a história começa de verdade. Os personagens cresceram e amadureceram, alguns nem tanto (como Soluço), outros muito (como o próprio Stoico, que mudou seu jeito de resolver sempre tudo da forma mais estourada possível). E esse amadurecimento contrasta, por exemplo, com a mãe do Soluço, que está a muito tempo sem ver seres humanos, e perdeu portanto as égides de convívio social.

Daqui para frente, só poderei prosseguir com spoilers, então prossiga por sua conta e risco:

Aviso: Spoilers aqui!!! Exibir

Se vale a pea? Vale demais. Fui ver no Cinemark e foi irritante ver o desrespeito de quase 10 minutos de propaganda, seguido de mais 10 a 15 minutos de trailers, mas quando o filme começou, aos poucos isso tudo se dispersou. O filme vale o ingresso facilmente, e mais importante, consegue ser uma continuação digna e amadurecer as personagens, sem tirar a graça deles. E consegue principalmente entregar um bom enredo, com uma trilha sonora muito bem fundamentada, e um storyboard de tirar o chapéu. Não vejo a hora de sair o BluRay para comprar o meu, bem como as novas temporadas de “Dragões: Pilotos de Berk” para continuar a acompanhar a história de Soluço, Banguela e cia. E que, com essa qualidade, venha o próximo filme sem medo da maldição do terceiro, ao menos se continuar com esta qualidade.